quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

Cyhyraeth: Servant To The Fire



Melodic Death Metal


Cyhyraeth, a banda que não tem medo de mostrar sua técnica.

Uma banda que é muito boa de escutar, a qualidade da sonoridade é excelente, a banda tem uma linha puxada para o Melodic Death Metal com um pouco de Thrash Metal.

Com uma qualidade excelente a banda não deixa faltar absolutamente nada, não deixa faltar empenho no vocal que é excelentemente explorado pela Jessica Mccain, uma ótima vocalista que consegue mostrar que sua voz combina perfeitamente com a melodia criada.

A primeira música é a “As the World Burns” e essa faixa começa da melhor forma possível o álbum, ela deixa bem nítida a qualidade do Melodic Death Metal da banda, uma forma de fazer tudo ser ainda mais agradável assim que entra o baixo da banda, um instrumento que tem muito peso e muita importância, ele consegue fazer uma atmosfera totalmente delirante dentro das músicas e essa não é diferente, a bateria é forte, mas não extremamente rápida, dando um toque ainda mais especial para a banda.

Com um começo excelente desses a banda não poderia abrir mão de continuar focando tanto na qualidade, e ela consegue superar a primeira faixa com a segunda intitulada “Indoctrinate” uma música que já mostra um pouco mais do Thrash Metal da banda que até então estava um pouco escondido, uma guitarra um tanto mais rápida, uma bateria um tanto mais seca em alguns segundos, mas o que predomina nessa música é o Melodic Death Metal, uma forma linda de trabalhar com esse subgênero que tem tanto para ser explorado.

Indoctrinate tem um vocal rasgado que consegue mostrar força e um tanto da fúria, a voz de peito é muito bem trabalhada na faixa e consegue fazer com que ela fique em sua mente por muito tempo, a música gruda em sua mente de forma muito forte.

A Farewell to Harm é uma música poderosa que consegue ter uma força muito grande nas guitarras que conseguem criar uma sonoridade cada vez mais magnífica, uma música que não deixa faltar ódio, não deixa faltar qualidade, o baixo da banda aparece de forma muito nítida na música, e isso sempre é muito magnífico, pois poucas bandas sabem deixar o baixo com tanto destaque, a melodia da banda é sempre bem trabalhada fazendo a música ser grudenta e principalmente quando entra o vocal feminino a música se torna muito melhor, uma música que consegue sair do inferno e ir para o céu.

Confliction começa no caos, começa sem piedade, a música começa como se a banda estivesse declarando guerra, uma música que não deixa você ficar parado, a energia está em todos os momentos, e o Thrash Metal aparece muito nítido na bateria, uma bateria seca que tem muita fúria, mas o vocal é totalmente Melodic Death Metal e isso é muito importante, pois a banda consegue trabalhar de forma excelente com ambas as vertentes, a forma mais destruidora possível de fazer uma música, a banda acaba explorando, sem deixar faltar nada.

A música que começa de uma forma totalmente diferente de todas as outras, talvez a melhor música da banda é a “Aftermath” uma música que tem um começo da forma mais poético possível, uma forma de mostrar que tudo está acontecendo ao seu redor e você precisa tomar uma atitude para melhorar sua vida, uma música que tem a técnica do baixo totalmente explorada, tem uma bateria trabalhada de forma rápida sem ser violenta, uma guitarra totalmente melódica, o vocal feminino consegue ser o melhor possível para complementar a melhor música possível, realmente essa banda tem qualidade e consegue mostrar o porque merece ser conhecida.

Servant to the Fire tem um começo totalmente eletrizante e ela consegue te jogar dentro da sua mente e te fazer viver o local de caos mais retardado possível, você consegue entrar em seus pesadelos e o mundo começa a cair, tudo começa a se tornar um fogo e você ao fechar os olhos não acorda desse mundo, a única forma é lutando contra seus medos.



Postado por: Renan Martins

Nenhum comentário:

Postar um comentário