quinta-feira, 13 de novembro de 2014

Malignancy: Eugenics



 Brutal Technical Death Metal


Malignancy é um nome que você precisa lembrar caso queira começar a conhecer mais profundamente o mundo do Brutal Technical Death Metal.

Essa banda tem um poder que está em outro nível, uma técnica que não cansa uma velocidade ideal e uma fúria que só fica cada vez maior.

A banda deixa claro que sua potência e sua fúria crescem muito no álbum “Eugenics” que saiu via Willowtip.

A primeira música do álbum já começa deixando sua alma em pedaços, intitulada “Type Zero Civilization” a banda consegue colocar um vocal totalmente destruidor, um gutural que consegue atingir a profundidade do inferno com muita potência e que consegue deixar tudo um tanto atmosférico, a bateria consegue ao fundo construir uma forma caótica de dar andamento para a música, a guitarra aparece deixando o caos ainda mais intenso, a banda realmente sabe fazer o som entrar em sua vida e fazer o sangue escorrer.

Eugenics é a segunda música do álbum e aparece logo grudada no término da primeira e ela não perde tempo para conseguir mostrar mais uma vez como fazer um som totalmente brutal e rápido.
A técnica da banda é algo realmente impressionante, dentro de todas as músicas, absolutamente todos os momentos todos os instrumentos conseguem ganhar seu destaque, a guitarra sempre aparece com uma força muito grande criando um som gritante e a bateria sempre trazendo o caos, tudo trabalhando da melhor forma possível para fazer a melhor música possível.

Uma das principais formas de vender seu trabalho é criando uma arte de capa da melhor forma possível, uma arte que tenha muitas cores compatíveis com a sonoridade que está tentando criar, uma cor e uma sonoridade podem sim ser ligadas, cores fortes trazendo sempre, que bem trabalhadas, uma forma mais caótica, mais destruidora da sonoridade, uma forma pálida de trabalhar com as cores indica um álbum mais calmo e puxado mais para uma melodia mais lenta ou depressiva, mas a banda Malignancy consegue colocar cores da melhor forma possível em um desenho que foi muito bem feito para mostrar como começar um álbum da melhor forma possível e isso realmente chamou muita atenção para esse ultimo trabalho da banda que consegue mostrar um crescimento muito grande em suas composições.

Extinction Event é a terceira faixa do álbum e ela continua mostrando a potência e a fúria da banda, mas dessa vez o som aparece de forma mais triturada, ela consegue tirar todo o sangue do seu corpo e jogar na parede, o gutural aparece ainda mais fechado, ainda mais pesado, uma banda que aposta muito em uma bateria muito rápida trabalhando bastante com os pratos, e isso consegue deixar a sonoridade ainda mais interessante, a banda consegue fazer com que você queira escutar mais e mais do seu trabalho.

Cataclysmic Euphoria começa a mostrar um pouco mais nítido o pedal duplo que aparece na banda, um pedal que consegue dar um ritmo de tortura muito grande, a banda aposta em algumas musicas duas formas de fazer o vocal, o gutural extremo que consegue fazer o Sol se tornar negro e o vocal mais rasgado que consegue dar uma atmosfera de ainda mais dor para a música que sempre aparece trabalhada da melhor forma possível.

Separatists é uma faixa que começa diferente de todas as outras, ela começa de uma forma calma com uma bateria ao fundo que não está nada brutal, o violão é bem trabalhado e a guitarra aparece deixando a sonoridade cada vez mais interessante, a velocidade vai ficando cada vez maior e quando você menos espera a música já se tornou um Brutal Technical Death Metal da melhor qualidade.

Pare encerrar o álbum a banda escolheu a música “The Breach” que encerra o álbum da melhor forma possível, ela consegue mostrar tudo o que aconteceu no álbum até o momento, ela consegue trazer a brutalidade, a técnica, a fúria e a atmosfera, ela consegue fazer você furar o destino e puxar dele o que você tanto sonhou.




Postado por: Renan Martins

Nenhum comentário:

Postar um comentário