quinta-feira, 28 de agosto de 2014

Tacit Fury: A Social Berserker



Death Metal



Novamente a Rússia aparece trazendo um excelente nome do cenário underground do mais bem feito possível do Death Metal.

Tacit Fury é o nome da banda que aparece nesse momento com um excelente álbum que saiu em 2014, um álbum que conseguiu mostrar um lado ainda mais Death Metal do que os anteriores, álbuns anteriores que são excelentes, porem, esse consegue chamar mais atenção.

O álbum se chama “A Social Berserker” e saiu via Fono Ltd. e esse álbum não deixa em momento algum o Death Metal morrer.

A primeira música do álbum que saiu via Fono Ltd. é a “Lacerated, Strangled, Impaled” que começa com uma bateria totalmente densa, totalmente Death Metal e quando tudo começa a se juntar a guitarra começa a mostrar seu lado mais pesado, seu lado mais denso e destruidor, em alguns momentos com uma sonoridade um tanto mais gritante, mas apenas para dar um tom diferente, a bateria consegue mudar de ritmo em vários momentos e muitas vezes aposta no trabalho com o prato para conseguir criar algo mais voltado para a intensidade, o vocal consegue trazer a brutalidade perfeita em um gutural muito bem feito, um tom bem fechado, bem construído, bem Death Metal que em momento algum fica cansativo, a banda realmente sabe trabalhar e logo de cara consegue mostrar isso.

Run While You Can é o nome da segunda pedrada que vem deixando tudo mais denso, tudo mais bruto, o baixo está com uma fúria impecável e você consegue notar a sonoridade dele da melhor forma possível, um caos nascendo dentro da mente, um caos que faz com que você entre em um mundo diferente e perto do fim você começa a matar tudo o que um dia te aproximou da morte, a guitarra nessa faixa aparece um tanto mais melódica, porem, não perde o peso em momento algum.

A máquina que faz o sangue ser jogado na parede se chama “Mind Crushing Power Dominance” e esse nome é o que marca a parte do começo do álbum, a bateria está totalmente bem trabalhada e apostando bastante no pedal e a guitarra consegue criar uma sonoridade totalmente pesada, mas puxando ainda para o lado mais melódico, um lado que não fica fraco em momento algum, o gutural sempre consegue surpreender e dessa vez não foi diferente, mas não está com o mesmo peso das músicas anteriores, ele aparece de forma mais seca, mas também combinando perfeitamente com as músicas.

Esse álbum mostra um lado muito bem feito, as músicas estão com muito peso, muito bem construído tudo e sem frescura, o vocal coloca toda a sua energia, não deixa nunca faltar nada, toda a potência acontece todo momento e conforme você escuta a música você entra no ritmo do álbum, você pode estar calmo, mas quando escuta esse álbum ele tem o poder de fazer você sentir a fúria nascer em seu sangue, sua alma consegue ganhar peso, consegue fazer o mundo todo ser fraco perto da sua raiva, e uma das músicas que faz com que você entre nesse mundo particular e totalmente brutal da sua mente é a “Release The Lions” que tem um pedal excelente, uma velocidade impecável e um gutural atordoante, a música toda é sensacional, e para deixar tudo ainda mais impecável, logo em seguida vem a música “Chronology Bleached” que tem um começo bem mais denso do que a música é por costume, ela tem uma potência muito grande, uma guitarra que consegue fazer você entrar no ritmo e querer ir para a guerra, a bateria consegue explorar muito bem todas as partes e não deixa em momento algum o ritmo ficar repetitivo.

Se tornou muito difícil nesse álbum dizer qual a música mais impactante, qual a melhor música, qual a música mais melódica, qual a música mais completa, mas sem duvidas, uma das melhores músicas é a “Future For Future” que tem um baixo destruidor que faz você ter um colapso, uma arma que afunda sua alma no mais profundo lado do oceano, uma música que deixa o álbum cada vez melhor, o vocal tem uma potência mais aberta, mas ainda consegue transmitir todo o lado destruidor que está sempre vivo com essa banda.

Para encerrar o álbum a banda escolheu a música “War Against All Living” que começa com riff’s excelente e uma bateria que consegue fazer a energia aparecer do fundo do abismo, uma música que é completa, não deixa o álbum terminar de forma morta, o álbum é encerrado com a maior potência possível, e a banda consegue mostrar que essa é sua obra prima, um lançamento muito digno que tem total respeito e que coloca a Rússia sendo um grande nome no Death Metal.





Postado por: Renan Martins

Nenhum comentário:

Postar um comentário