terça-feira, 12 de agosto de 2014

Horizon Ablaze: Spawn



Death Metal



Essa é a banda que nenhuma pessoa do mundo do Metal extremo coloca defeito, uma das bandas mais underground do momento, e ela tem uma sonoridade que consegue conquistar o mundo se ela desejar.

Dentro do underground existe certas bandas que conseguem surpreender pela potência, outras pela forma de se apresentar ao vivo, outras por conseguir criar uma letra muito incrível ou até mesmo pela forma que se veste, mas poucas bandas conseguem criar uma atmosfera tão infernal quanto à banda Horizon Ablaze.

Horizon Ablaze é o retrato da noite que ficará em sua mente até o fim da sua alma, até o momento em que sua alma virar pó.

Em seu primeiro álbum intitulado “Spawn”, a banda não deixou faltar absolutamente nada e se você é uma das pessoas que tem dificuldade extremo em achar a sonoridade do baixo na música, então você tem que escutar essa banda, porque a arma principal da banda é esse instrumento que tanto consegue construir o furo em sua mente e fazer o mundo se tornar cada vez mais escuro.

A primeira música do álbum intitulada “Inception”, a banda aposta em uma introdução um tanto tenebrosa com uma sonoridade que não parece nem ser Death Metal, porem, você já consegue notar a quantidade de sentimentos e de ódio nessa introdução e acredite quando digo que esse ódio só ficará maior e o pesadelo está apenas começando.

Logo em seguida da faixa Inception nasce à impecável “Throne of Trepidation” que já deixa logo na cara o poder do baixo, um baixo que faz você sentir sua alma tremer, a potência da banda é muito grande, um Death Metal que surpreende e consegue mostrar que essa é uma das bandas que merecem estar dentro do pentagrama das 7 cruzes, a banda consegue mostrar todo o ódio de forma muito fácil e a potência no vocal é excelente, um gutural totalmente fechado, um vocal que quando apostado no grito cria um tom de dor e junto do instrumental em uma velocidade não tão rápida a banda consegue mostrar que a sua potência é absurda e o baixo consegue fazer o cenário do corpo do Diabo.

1941 é a terceira faixa do álbum e se você pensa que é difícil criar algo tão impactante quanto a faixa anterior então você realmente não sabe as cartas dessa banda que consegue sempre surpreender da forma mais positiva possível, o ritmo cadenciado da música no começo consegue fazer você sugar um ódio da atmosfera, mas a música não é toda assim, ela começa a ganhar mais velocidade e o vocal consegue deixar incansável a música, o gutural impecável dessa banda é uma das obras primas dessa banda, os gritos são bem diferentes, não é um timbre qualquer e a parte lenta que aparece novamente na música joga você em um cenário em que você está espancando uma pessoa com um martelo, espancando alguém com algo que consegue ser tão pesada quanto sua raiva.

Black Burden começa de forma mais elétrica, a forma mais diferente da banda até o momento, ela consegue pegar da guitarra uma sonoridade excelente que cria uma introdução um tanto diferente, o baixo aparece ao fundo criando uma atmosfera muito diferente como se um robô estivesse sendo construído dentro do inferno, essa banda é realmente surpreendente, chamar ela de uma das melhores dessa nova geração não é nenhum absurdo, essa banda consegue nascer do fogo e criar o fogo em sua mente, você consegue se sentir sujo e sua mente de psicopata ataca nascendo um novo demônio em sua vida.

Mesmo sendo algo praticamente impossível, mas se você não achou o baixo ainda na música a sua chance é agora, na faixa “Ink & Blood” ele cria uma introdução mais que impecável, essa música é o retrato de uma banda que está crescendo mais rápido que o vírus Ebola, uma banda magnífica que consegue dominar tudo que está em sua frente, a potência não está apenas no baixo, não está apenas em um vocal extremamente impactante, a banda toda é uma máquina criada por uma divindade que consegue transmitir uma das suas características o medo, o medo que a banda cria em sua atmosfera é muito grande e ela não falha em momento algum, uma banda sensacional que merece ser reconhecida cada vez mais.

Começando de uma forma um tanto diferente a faixa “Prefeterminus” mostra um lado mais elétrico da banda, e nessa música quem faz o caos não é o baixo, mas sim a guitarra que consegue criar uma atmosfera de raios e dor dentro de tudo que existe em sua alma, uma banda que realmente surpreende e nesse primeiro álbum ela já conseguiu lançar sua obra prima, a carreira dessa banda se continuar nessa mesma linha tem tudo para ser uma das mais sólidas já feitas, fazer um Death Metal não é pra qualquer um, mas fazer um Death Metal único que consegue fazer você saber que a banda é aquela mesmo se escutar separadamente todos os instrumentos, é, isso é ser Horizon Ablaze.





Postado por: Renan Martins

Nenhum comentário:

Postar um comentário