domingo, 10 de agosto de 2014

Hate Division: Order of the Enslaved



Death Metal/Grindcore


Quando um Death Metal puro da melhor qualidade se mistura com o Grindcore da melhor qualidade você consegue achar a banda Hate Division que faz uma sonoridade destruidora do começo até o ultimo momento do álbum.

Com seu mais recente álbum intitulado “Order of the Enslaved” a banda já começou a mostrar o motivo pelo qual ela deve ter muito espaço, a sonoridade da banda é animal, o Grindcore muitas vezes se torna repetitivo, mas não com essa banda, essa banda conseguiu mesclar ambas as partes e construir um legado muito fiel.

A primeira música do álbum intitulada “Peace.Tranquility.Subsequent.Deception” começa de uma forma assustadora sem deixar que você fique calmo, o vocal é consegue apresentar uma mescla impecável do gutural puro com a potência de um gutural um tanto mais rasgado, um tanto mais carregado ao tom da dor, uma guitarra que consegue criar um riff totalmente bem feito que não deixa em momento algum faltar potência nem criatividade na música, a bateria tem uma velocidade muito boa, mas não fica a música toda com a velocidade absurda, em determinados momentos a banda deixa tudo mais focado no lado denso e não no lado absurdamente intenso.

The Divine Reward é a segunda música que começa de uma forma bem mais Death Metal com um riff muito mais cadenciado e muito mais carregado, o gutural também aparece de forma muito pesada, uma forma muito única que faz com que a música se torne cada vez mais potente, cada vez mais impactante.
O baixo quando aparece ao fundo você pode jogar tudo pro lado e focar só nele que ele consegue fazer com que você entre em um mundo totalmente diferente, um mundo totalmente caótico, um mundo em que você tem uma faca na mão e cabe a você escolher se vai matar uma pessoa que ama para salvar mil pessoas ou vai deixar mil pessoas abraçadas com a morte por amar uma pessoa e não ter coragem de tirar a vida dela, uma música impecável que já torna o álbum ainda mais interessante, a banda só consegue melhorar, a quantidade grande de músicas que tem no álbum consegue se tornar pequena perto da qualidade da banda.

Em um álbum de uma banda que está focada em tocar Grindcore não poderia faltar músicas rápidas de apenas 2 minutos ou 1 minuto, então a banda jogou com isso e conseguiu fazer uma sonoridade impecável nos 2 minutos, uma bateria totalmente seca puxando um lado muito Grindcore, a música intitulada “A Controlled Extinction” mostrou o lado Grindcore e mostrou que esse lado não está morto, ele está vivo e está sendo muito bem feito pela banda.

Pornography of War é uma música que mostra um lado totalmente diferente da banda, não se trata de um diferente na questão da sonoridade sair do Death Metal e do Grindcore, mas sim pelo fato da perfeita mescla de ambos e criando algo muito diferente, a bateria consegue mudar várias vezes sem fugir do que é a característica de cada um, o vocal consegue ser mutante e mudar do gutural extremo totalmente grave, totalmente fechado para um vocal totalmente rasgado e impecável que não deixa em momento algum ficar fraco o som da banda, uma banda que realmente supera muitas que são chamadas de excelentes, essa realmente merece um reconhecimento gigante, a música é intensa e rápida, a densidade acontece da melhor forma possível sem deixar que sature em momento algum, a potência na guitarra é grande e ela consegue criar riff’s muito bem feitos e logo depois pular para algo totalmente mais melódico, a bateria tem uma velocidade muito interessante e a violência que nela existe é algo realmente Grindcore, a sonoridade seca de alguns momentos não deixam que a música se torne comum, uma forma de criar sensacional, uma banda que tem tudo para surpreender quem não conhece e surpreender os fãs com os novos lançamentos.

The Final Exhalation é uma das melhores faixas do álbum, tudo bem que é extremamente difícil falar qual é a melhor faixa, afinal esse álbum tem muitas músicas excelentes, excelentes do começo ao fim, cada um dos gritos, cada urro, cada riff, tudo muito bem feito e pensado da melhor forma possível para conseguir criar algo totalmente diferente e essa banda conseguiu fazer isso sem deixar faltar nada.
A energia dessa música é muito grande e a bateria aparece de forma muito extrema, a velocidade do pedal junto do trabalho com os pratos a bateria consegue dar um tom totalmente mais impactante para o trabalho, uma banda que tem tudo para conseguir conquistar o mundo do Grindcore/Death Metal, mas principalmente o do Grindcore, pois a banda consegue trabalhar muito bem nele de uma forma diferente que não cansa em momento algum, e ainda na The Final Exhalation a banda aposta em um solo de guitarra que torna tudo ainda mais atmosférico, uma banda que sabe trabalhar e tem criatividade para sempre surpreender de forma positiva.




Postado por: Renan Martins

Nenhum comentário:

Postar um comentário