quarta-feira, 23 de julho de 2014

Illogicist: The Unconsciousness of Living



Technical Death Metal


As cores da bandeira da magnífica Itália aparecem novamente aqui e dessa vez carregas por uma banda que se tornou para muitos uma referência no gênero, ou melhor, no subgênero.

Illogicist carrega faz algum tempo uma grande quantidade de fãs e essa magnífica banda consegue juntar o Death Metal bruto e sem piedade com toda a técnica do mundo criando um Technical Death Metal da melhor qualidade.

Em apenas três álbuns a banda conseguiu conquistar o coração dos fanáticos por Technical Death Metal, em seu primeiro álbum lançado em 2004 via Crash Music, Inc. a banda já conseguiu mostrar uma sonoridade muito boa, algo bem particular e bem longe do que é cansativo, mas não foi o seu primeiro álbum que fez a banda explodir e principalmente no underground do Death Metal.

Logo após o lançamento do seu primeiro álbum “Subjected” veio o “The Insight Eye” que foi um trabalho excelente, uma obra prima do gênero que consegue fazer ponte com o Progressive Death Metal e isso conseguiu mostrar que a banda é ainda melhor a cada lançamento fazendo com que os fãs ficassem esperando por algo novo e quando saiu o álbum “The Unconsciousness of Living” em 2011 via Willowtip todos os fãs ficaram alucinados com a construção das músicas e toda a classe do álbum.

Da forma mais fácil possível de ver que o álbum é realmente algo muito bem feito é observar a arte de capa que é extremamente bem feita com cores excelentes e que de certa forma combina com a sonoridade do álbum, álbum que começa com a música “Ghosts of Unconsciousness” que é uma faixa brutal que começa com uma batida muito grave e que faz o mundo tremer.
A guitarra dessa música é espetacular, ela não deixa em momento algum o som se tornar cansativo, a música toda é bem construída e quando entra o vocal você nota algo bem diferente, não é um gutural totalmente denso, é quase um Harsh Vocal, isso torna ainda mais único o som da banda.

Se a primeira música foi ótima então a segunda também teria que ser, e ela realmente é, intitulada “Hypnotized” a música aparece com uma sonoridade ainda mais técnica e dando mais destaque ainda para a guitarra que é totalmente gritante, totalmente aguda e que consegue mostrar o quanto a banda sabe explorar sua criatividade, pois todos os instrumentos são diferentes em todas as faixas e a queda no ritmo da música em determinados momentos deixa tudo ainda melhor, uma impecável faixa.

Com um lado mais Progressive Technical Death Metal a banda vem com força total na faixa “The Mind Reaper” que tem uma sensacional linha de criação, a bateria em cada momento mais rápida, o baixo aparecendo com tanta potência, aparecendo com tanta facilidade e tanta propriedade do som que faz tudo se tornar ainda mais pesado, a junção de todos os instrumentos e o vocal fizeram a música ter um cenário próprio em que você imagina uma pessoa totalmente cortada, totalmente destruída de uma casa abandonada onde ela foi torturada por muitos dias e a única coisa que faz ela se manter de pé é o fato dela sentir ódio e a vingança precisa acontecer, o único modo de a sua alma conseguir dormir novamente é conseguindo a morte de quem um dia te fez sofrer.

Ainda continuando em seqüência das músicas do álbum, a banda conseguiu depois dessas outras músicas que já são incríveis, conseguiu colocar uma faixa que tem riff’s muito potentes e que fazem você jogar todo o ódio para fora da forma mais impactante possível.
Com o nome de “A Past Defeated Suffering” a música aparece com um baixo totalmente atormentador, uma sonoridade rápida na bateria e a guitarra nos potentes e rápidos riff’s, o andamento da música te faz se sentir uma pessoa em meio ao caos mais profundo que o planeta mais temia acontecer e isso faz com que você jogue pelas regras da guerra.

Ainda com muita criatividade a banda surpreende em chegar ao fim do seu álbum e ainda conseguir mostrar a sua potência e técnica em um sua ultima música que é a “A Never Ending Fall” e essa música tem uma bateria excelente com pedal duplo que faz sua cabeça explodir, uma guitarra totalmente distorcida como se fosse o Trovão mais denso já escutado e o vocal é o puro retrato da dor, e esse é o encerramento de mais uma obra dessa banda excelente que traz a Itália no peito, uma banda que vêm se tornando uma excelente referência no Technical Death Metal e que encerra da melhor forma possível esse seu trabalho tão bem feito e tão bem produzido.




Postado por: Renan Martins

Nenhum comentário:

Postar um comentário