quinta-feira, 15 de maio de 2014

Paths: I Turn My Body From The Sun



Pouco se fala no Canadá, e esse país esconde bandas excelentes no seu underground do Black Metal, e trazendo para o mundo todo, dessa vez eu mostro a banda “Paths”, uma verdadeira obra prima desse país tão único.

Paths é uma banda tão diferente de todas as outras que consegue pegar a psicodelia do Progressive juntar da forma mais mágica possível com o lado obscuro e tenebroso do Black Metal tradicional.

Falando do seu primeiro lançamento que é uma Demo intitulada “I Turn My Body From The Sun”, essa Demo tem uma qualidade impressionante, e sem dúvidas uma das mais magníficas Demos que eu já tive a oportunidade de ouvir em minha vida, e não digo isso pelo fato de ser Black Metal, digo isso pela qualidade e técnica da banda, e mais do que isso, é surpreendente saber que isso foi feito tudo por apenas um membro.

A primeira faixa intitulada “As Flies In Honey”, é algo extraordinário, algo que te faz entrar em outro mundo, quebrando todos os limites do impossível com sua introdução marcante e única onde tem uma guitarra distorcida e com um som totalmente psicodélico, e junto com a batida de fundo da bateria fica tudo muito calmo e ao mesmo tempo tudo muito poético.
Quando você acha que será assim a música toda, entra uma narração, uma narração como se o mundo estivesse em plena guerra e as rádios de uma cidade antiga estivessem dando os últimos toques de recolher, e a bateria começa a ficar um pouco mais intensa e assim que acontece a quebra de ritmo vem o Black Metal totalmente atmosférico que traz uma calmaria e ao mesmo tempo lembra muito o Depressive Black Metal, com um vocal excelente, uma atmosfera perfeita, e uma guitarra muito bem composta, o baixo também fica muito audível.

A segunda faixa vem totalmente diferente da primeira, a sua introdução é muito mais carregada, em uma atmosfera muito mais obscura e tenebrosa que faz seu espírito tremer.
Intitulada “The Medusa Picture”, essa música tem uma guitarra mais distorcida que a da música anterior e uma voz de peito ao fundo da um clima totalmente mais perturbador para essa música incrível, mas essa música também conta com o Harsh Vocal tradicional que reina no Black Metal em praticamente todas as músicas.
Essa faixa conta com quebras de ritmo também, onde em momentos a guitarra fica focada em fazer riff’s mais carregados, cheio de raiva e em momentos em que a bateria fica mais rápida e outros ela tem uma batida mais eufórica e mais dolorosa.

É um tanto triste ver que uma banda dessa qualidade não é tão falada no mundo do Metal, que é uma grande pena, pois tudo que esse artista “Michael Taylor”, criou para essa banda ficou excelente, a temática, a atmosfera, o sentimento, e ele inovou o gênero trazendo o lado psicodélico, isso não é pra qualquer um.

Seguindo no álbum, agora na faixa de número três do álbum, vem a música intitulada “Burning A Flower”, essa música tem 7 minutos e é instrumental.
Não pense que é um instrumental qualquer, um instrumental cansativo que vai te fazer querer pular logo essa faixa.
Essa música tem uma qualidade excelente, tem uma temática excelente e um clima perfeito, e não é um instrumental básico, ele tem uma guitarra distorcida, uma bateria em um ritmo muito interessante e um baixo totalmente genial ao fundo que cria uma atmosfera como se tivesse um vulcão prestes a explodir.

Indo diretamente para a mágica e provavelmente até agora a mais psicodélica das faixas, que conta com um toque ao fundo muito único.
Intitulada “Psychical Misanthropy”, essa música entra em seus ouvidos e cria um universo totalmente diferente do que você está acostumado, essa música não é qualquer uma e ela tem um poder que poucas músicas tem, que é expandir seu cérebro, fazer você começar a ver um horizonte de várias cores e totalmente distante.
E mesmo quando entra a parte Black Metal crua da música você ainda consegue sentir toda a atmosfera da banda, e isso é pra poucos.

Para encerrar essa Demo que tem um potencial muito maior que vários álbuns por todo o mundo.
Vem a faixa mais única do álbum, e a maior também.
Essa música de 12 minutos tem uma atmosfera e uma linha de instrumental de outro mundo, intitulada “I Turn My Body From The Sun”, essa música começa com um toque de guitarra bem agudo e o sintetizador criando uma atmosfera no fundo que até parece um coral, e uma voz sussurrando algumas coisas, e quando acaba essa etapa de atmosfera vem o incrível, destruidor e único,baixo que cria uma sonoridade tão carregada e ao mesmo tempo uma sonoridade tão impecável que te faz ter certeza que essa música foi a perfeita para encerrar  esse álbum.
Não se engane em achar que essa música é apenas instrumental, essa música tem uma genial base com instrumentos criando todo um tema, é sem dúvidas uma faixa completa, onde os 12 minutos se tornaram muito bem distribuídos, essa banda é genial, a criatividade é magnífica, e a execução é formidável, uma banda que merece ser lembrada para sempre.



Postado por: Renan Martins

Nenhum comentário:

Postar um comentário