domingo, 4 de maio de 2014

Mactätus: Provenance of Cruelty



Sempre trazendo bandas excelentes no mundo do Metal, a Noruega aparece mais uma vez e dessa vez com um representante um pouco já conhecido, mas conhecido dentro do underground.

No underground impecável a banda Mactätus vem uma carreira sólida e muito bem desenvolvida e criativa.
Como o Black Metal é um gênero extremo que fica do lado da intensidade diferente do Death Metal que é o outro gênero extremo que carrega a densidade, então a junção do Symphonic com o Black Metal caiu perfeitamente para a banda e com toda a qualidade dos músicos conseguiu transformar isso em uma verdadeira epopeia única.

As músicas tem um tom muito único, cada uma com uma característica única, e o álbum que escolho falar dessa vez é o “Provenance of Cruelty”, esse magnífico trabalho já começa de uma forma tão mágica que ganha o coração muito fácil de quem está ouvindo, e uma pessoa apaixonada pelo gênero consegue facilmente grudar na mente a sonoridade das músicas, e a primeira música intitulada “Draped in Shadows of Satan's Pride” tem uma introdução de muita classe com uma orquestra ao fundo e uma batida como se o céu estivesse abrindo, e assim que começa a entrada do instrumental você pode notar uma incrível melodia, o teclado ao fundo da à sensação de que tem uma orquestra gigante com a banda, e seu som consegue ser ouvido muito facilmente, esse detalhe é muito bom ser dito, pois a banda consegue demonstrar o trabalho de todos os instrumentos muito facilmente.

A segunda faixa começa na mesma linha da primeira música do álbum, e intitulada “King Of The Dark Side”, a música tem uma bateria muito eletrizante com uma cadencia muito única e impecável nos riff’s da guitarra, é diferente o trabalho da banda pelos elementos, mas a atmosfera criada por ela é do Black Metal antigo que deixa tudo ainda mais interessante.
Essa incrível música conta com um coral ao fundo, e isso da uma cara muito único para a música, pois faz com que ela ganhe um sentimento de poesia muito maior, o vocal varia bastante do Harsh Vocal fechado para o Harsh Vocal mais agudo, e em cada momento que é mudado o vocal, muda também o sentimento transmitido na música.

Essa terceira faixa é uma música que deve ser analisada bem profundamente.
Ela tem muitos elementos e cada um deles tem um papel muito importante para a música, música que começa com uma orquestra totalmente obscura e quando entra o riff da guitarra você se depara com uma voz de uma mulher, e essa voz da mulher é sensacionalmente melancólica e combina perfeitamente com o instrumental, a bateria fica alternando momentos de mais velocidade e mais cadência, e o vocal da mulher vai surpreendendo a cada minuto, pois ela consegue atingir notas muito altas e consegue também facilmente cair para uma voz mais depressiva e poética, a junção do vocal dela com essa sensacional base de instrumental faz com que a música fique ainda mais rica.
E se você está esperando ou achando que não vai ter o vocal masculino tradicional da banda, você está enganado, pois assim que o vocal da mulher vai perdendo o timbre, o vocal Harsh entra e cria um caos gigantesco na musica, mas é por pouco tempo, pois depois volta o vocal feminino e com ele volta uma atmosfera muito mais tenebrosa e torturante, como se tivesse uma quantidade muito grande de almas dançando ao seu redor.

E depois dessa faixa surpreendente e incrível com vocal feminino, nós temos no álbum a faixa tão incrível quanto que é intitulada “The Emperor's Trail”, e nessa música três coisas ficam em destaque, mas apenas duas dessas 3 conseguem um destaque maior que é o vocal e o teclado ao fundo, o teclado ao fundo da um toque muito Melodic Black Metal, o antigo e bom Melodic Black Metal, e o vocal traz o rústico lado do Black Metael antigo, o Black Metal tradicional que tanto admiramos, essa música é sensacional e tem uma atmosfera como se você estivesse em uma guerra dentro de um castelo.

A dobradinha a seguir é tão incrível quanto poderia ser, com a faixa “En Trone Vevd Av Tid” você já se depara com um arrepiador coral e logo em seguida entra um instrumental muito intenso e com riff’s de muita classe, é incrível como a banda consegue fazer essa junção tão facilmente, e logo em seguida dessa música vem a incrível “Sønn Av Torden”, e essa música traz mais o lado rústico da banda, o começo dela tem uma guitarra que lembra até o lendário Ulver no “nattens madrigal”, e essa musica mesmo trazendo o lado rústico da banda, ela também tem o lado melódico com o teclado ao fundo criando uma atmosfera de orquestra que da ainda mais brilho para essa banda que se torna a cada música mais única.

E o encerramento dessa obra prima ficou com a música “Provenance Of Cruelty” que sim, começa com uma orquestra, e essa orquestra da um tom muito tenebroso, digna de filme de terror, digna de um corpo se levantando do mundo dos mortos para pegar o que um dia pertenceu a ele.
E se você está pensando que essa música é um instrumental, você está enganado, ela é apenas uma música com uma introdução grande, mas é sensacional e quando o vocal entra em contato com o gutural e logo em seguida com um eco, tudo fica tão perfeito que faz com que essa música se torne a melhor do álbum, fazendo esse CD ser uma impactante obra do gênero e apresentando da melhor forma possível a banda Mactätus.




Postado por: Renan Martins

Nenhum comentário:

Postar um comentário