segunda-feira, 12 de maio de 2014

Emperor Of Myself: Question Your Existence



Fazia muito tempo que eu não parava para escutar um Atmospheric Black Metal, e esse subgênero traz sempre bandas excelentes, e quando eu digo excelente, não estou dizendo que são apenas boas to dizendo que são bandas diferenciadas, pois ela tem cada uma, uma característica muito única.

E como não falar da Grécia, esse país do Septicflesh e do Inactive Messiah, país lindo que traz sempre bandas de tirar o fôlego, bandas lendárias, e dessa vez escolho falar do Atmospheric Black Metal da banda Emperor Of Myself.

Infelizmente poucas pessoas falam dessa banda, poucas pessoas conhecem a dimensão da qualidade dessa banda, pois o Emperor Of Myself não apresenta um Black Metal totalmente retalhado, ele apresenta uma sonoridade com muita técnica, muita técnica e criatividade, mas sem deixar o Black Metal real de lado.

E o que mais surpreende nessa banda é o fato de ela ter sido formada em 2006 e o primeiro lançamento só sair em 2013, então ela teve uma longa temporada para se preparar e eles conseguiram em seu primeiro álbum intitulado “Question Your Existence” trazer uma sonoridade muito incrível, muito única que deixou claro para o mundo todo do underground que essa banda é marcante.

Dês de agora eu já falo que vai ser muito difícil dizer qual é a melhor faixa do álbum, afinal, todas as músicas são excelentes, e à medida que vai passando as músicas vai ficando cada vez melhor, e já começando o álbum com a faixa “Curse Of Emptiness”, você já consegue ver o quanto é diferente o som dessa banda, um som muito técnico, com uma bateria básica sem muito rodeio e com uma guitarra muito melódica que traz um riff muito interessante e com um tom melancólico e ao mesmo tempo atmospherico com muito sentimento, e a marca incrível da banda que é o vocal, um Harsh Vocal meio grave que parece uma voz de mascara com mais peso, é sensacional o vocal e a junção que a banda conseguiu fazer com os eu som por completo.

A música seguinte, música de número dois do álbum, já consegue ser melhor que a primeira, e é muito difícil dizer que ela é a melhor do álbum, mas é uma das que mais agrada e isso é fato.
Intitulada “Nasty Fall” essa música tem um cenário muito incrível em seu completo, a sonoridade com muito brilho dos riff’s da guitarra fazem imaginar uma bailarina em um teatro totalmente quebrado dançando para uma plateia onde todos estão hipnotizados por uma força maior, e o teatro vai caindo aos pedaços conforme vai avançando a música, uma faixa incrível, sensacional e pra quem gosta de conhecer coisas novas na música, uma banda que tem uma proposta de buscar explorar todos os espaços ainda não explorados, essa é sua oportunidade de conhecer essa banda que quebra barreiras com a sua qualidade incrível digna de aplausos de pé no teatro em chamas.

Esse álbum é tão incrível que até música com voz de peito ele tem, sim, é difícil ver isso em um álbum de Black Metal, mas essa banda consegue fazer milagre e fazer isso da forma mais troo possível e não sair do Black Metal e ainda consegue trazer todo a atmosfera e o som próprio criado pelos músicos excelentes dessa banda formidável.

E ela tem uma guitarra excelente, guitarra que produz um som tão calmo, tão poético que faz a música se tornar melhor a cada momento.

E falando de guitarra que produz um som tão calmo, tão poético, vem logo em seguida a faixa perfeita “No One Will Remember”, uma música que está em um outro nível, com uma introdução totalmente poética e única, você até se perde e esquece que é um Black Metal e pensa que é outro gênero, porem, a música traz o Black Metal novamente com os urros incríveis do vocalista, um Harsh Vocal fechado com muita potência, o cenário trazido nessa faixa é como se você estivesse andando em uma floresta escura, e conforme você vai chegando ao fim dela, o Sol vai ganhando mais força e mais vida.

Question Your Existence é a faixa provavelmente mais cadenciada do álbum, e não é por isso que ela vai trazer um lado diferente, pelo contrário, ela traz a mesma pegada da banda que tem essa incrível e magnífica sonoridade própria, porem, dentro do Atmospheric Black Metal.
A música começa com uma introdução de guitarra totalmente melancólica como se você estivesse em um país sem vida, mas não se engane, essa faixa não é calminha do começo ao fim, assim que acaba a introdução da guitarra vem os riff’s lentos e carregados e com muita potência vem o vocal, tudo muito bem composto, tudo muito bem criado.

E falando de uma música totalmente diferente das outras vem a penúltima música “Revenge Is Justice”, essa faixa tem uma sonoridade muito única, e é impecável, é inexplicável o que ela representa, então, não vou comentar e deixarei para cada um sofrer com a euforia cerebral ao ouvir essa linda canção.

Encerrando esse álbum de outro mundo, vem a faixa “End Of The Day”, uma música instrumental de 1 minuto e 47 segundos que diferente do que estamos acostumados nas outras bandas, não é um som obscuro nem um violão calminho de floresta, e sim uma guitarra distorcia que traz a euforia de um fim de um trabalho tão perfeito, e se a minha teoria da perfeição particular servir para todos, eu digo que esse álbum é de fato perfeito.



Postado por: Renan Martins

Nenhum comentário:

Postar um comentário