segunda-feira, 21 de abril de 2014

Velho: Vida Longa ao Primitivo



Se você é um tipo de pessoa que pensa que o Brasil não tem representante bom no mundo do Metal, ou se você acha que o Metal Nacional está limitado em ficar apenas no Sepultura e o Angra, você está extremamente enganado.
Alem de ser um excelente país no mundo do Metal, o Brasil apresenta artistas e bandas em praticamente todas as vertentes do Metal, e o Black Metal é um gênero muito frequentado, porem, no underground, que é o que torna ainda mais incrível o som, pois todos praticamente tem um som do Black Metal antigo, e mesmo as bandas de Black Metal que fazem um som mais melódico ou moderno, conseguem fazer um trabalho excelente, mostrando toda a qualidade dos músicos.

Uma banda que representa bastante o underground do Black Metal Nacional é a banda “Velho”, que tem uma sonoridade muito boa, e logo em seu primeiro lançamento intitulado “Vida Longa ao Primitivo”, a banda já mostra a qualidade e a criatividade com letras impactantes e muito bem escritas.

A melhor forma de começar um trabalho de Black Metal é com uma faixa totalmente saturada, e com vocal rasgado que mostra logo de cara que a proposta da banda, e é assim que começa esse incrível EP.
Com a faixa intitulada “Um Único Caminho”, o EP já começa mostrando sua obscuridade e deixando um destaque para a sonoridade da bateria que produz um som seco e bem mais destacado que os outros, e com um instrumental bem interessante a banda vai seguindo na música e mesmo deixando a bateria com um destaque em específico, todos os outros instrumentos são bem fáceis de ouvir, e contando com uma quebra no ritmo a faixa fica ainda mais obscura.

Um detalhe muito interessante da banda é que ao invés de usar as letras em inglês que muitas bandas usam até por questão de sonoridade, a banda aposta no português, fazendo a mescla ideal para que a faixa fique muito boa de ouvir.

A segunda faixa do EP intitulada “Newton Misantropo” tem uma introdução um pouco parecida com a anterior “Um Único Caminho”, mas ela tem uma energia maior, ela consegue fazer a fúria nascer junto com a letra e sem dúvidas uma música muito boa, e com seus riff’s rápidos e carregados a banda vai deixando cada vez melhor seu trabalho, sem deixar lacunas pelas músicas, essa música também conta com uma quebra de ritmo, porem, não tão brusca.

A terceira faixa do EP é muito única, bem crua e com um instrumental incansável.
Intitulada “A Mesma Velha História” a música é uma das melhores desse trabalho, e provavelmente a que lembra mais o Black Metal antigo, e é muito interessante ouvir o trabalho em português, pois a banda consegue sintetizar bastante essa completa e magnífica atmosfera de ódio e dor.
O vocal com uma parte mais aguda, mostra o lado de dor da banda, mas logo em seguida vem à música que é um tanto diferente dentro do EP.
Intitulada “Mais Um Ano Esfria”, a música conta com um ritmo bem mais elétrico, um ritmo pronto para dar início em uma guerra que só vai terminar quanto todo mundo estiver morto e sua bateria e riff’s são bem clássicas.

E para encerrar esse EP muito bom, foi escolhida a faixa “Coma Induzido”, faixa que por sinal tem uma guitarra bem diferente e um som mais cadenciado, dando um tom mais fúnebre para a música, mas sem ofuscar o lado Black Metal.
A música está ótima e também é a maior música do EP com 5 minutos.



Postado por: Renan Martins

Nenhum comentário:

Postar um comentário