quinta-feira, 24 de abril de 2014

Nehëmah: Shadows from the Past...



A Noruega foi o país que catapultou o Black Metal para o mundo todo com bandas clássicas levando o nome do Varg, Euronymous e todos os outros para a eternidade não só do gênero, mas do Metal.
E com o passar dos anos um país começou a ganhar muita visibilidade no Black Metal, e não é pra menos, afinal, praticamente todos os artistas são de fato excelentes e criativos, e dessa vez a França veio com representada pela banda “Nehëmah”, uma banda que é verdadeiramente uma das melhores e sem dúvida carrega da melhor forma possível à bandeira francesa.

E falando de Mágica e Ocultismo em suas músicas, a banda traz em seu álbum “Shadows from the Past...” uma forma muito interessante de criar músicas, com um som muito cadavérico, porem com muita qualidade e que não cansa.

 primeira faixa desse álbum incrível é a magnífica “Black winds over the walls of Csejthe”, uma música que começa muito atmosférica, muito interessante e com essa introdução como se estivesse ventando, ela consegue puxar todos para ouvir até o fim essa brilhante composição.
Sem perder tempo, logo após o termino do som de vento, vem uma bateria extremamente rápida que é incansável e implacável, sem deixar faltar nada, a música retrata o cenário do mais puro sentimento de loucura do lado esquecido da mente, e sem deixar oculto a qualidade, a banda mostrou todos os instrumentos muito nítidos, o baixo principalmente apareceu criando uma atmosfera muito pesada, como se estivesse um trovão ao fundo. O vocal é incrível, um timbre excelente que não cansa em momento algum de ouvir, o ritmo da guitarra eletrizante faz com que você queira ouvir mais e mais do trabalho dessa banda muito criativa.
E se já não estava boa o bastante, a música ainda conta com um momento em que o vocalista fala baixo no microfone tornando ainda mais tenebroso o som da banda.

A segunda faixa é tão eletrizante quanto a segunda e consegue transmitir um tom de ódio tão grande quanto poderia existir em uma alma.
Intitulada “Sonner Av Den Fimbulvetr”, a música conta com um baixo mais que surpreendente, se você é uma pessoa que tem dificuldade para ouvir o baixo na música, você não vai ter essa dificuldade nessa música, ou melhor, nessa banda.
A introdução incansável e eletrizante dessa música arrepia o espírito sonolento, te levando a entrar em estado de loucura, e diferente do que você imagina, ela não fica assim todo o tempo, o ritmo muda e vai para o lado cadenciado, um lado que não deixa de lado o Black Metal das antigas, mas que deixa mais nítido o lado melódico da banda, e mesmo quando volta o lado mais rápido e brutal da banda com um pedal duplo em junção do baixo tão rápido e pesado quanto, a música continua conseguindo demonstrar seu lado melódico.

A terceira faixa é a magnífica “The Thousand tongues of Medusa”, uma música que começa mais lenta em comparação a primeira e a segunda, sem andamento é cadenciado e marcado, mas isso ficou encaixado de uma forma muito perfeita, pois deu uma calma para o álbum, mas trouxe mais obscuridade e tenebrosidade, uma verdadeira forma de demonstrar o lado brutal de um sentimento puro de violência e muito terror.

Warlock é uma faixa sensacional e que já começa eletrizante e distorcida.
Sua sonoridade é tenebrosa e dês do começo já com o pedal duplo tão incrível, mas é apenas o seu começo que é eletrizante, depois o ritmo fica mais cadenciado, mas é por pouco tempo também.
A guitarra nessa música está bem mais distorcida, bem mais saturada e nítida, uma música muito empolgante.

A faixa seguinte vem trazendo o lado oculto tão puro da banda, intitulada “Siguilum Sanctum Lycantropia”ela já começa com uma sonoridade um tanto perturbadora com os sussurros e uma atmosfera obscura, e assim que termina os sussurros vem a retaliação dando um destaque nessa música maior para a guitarra que está totalmente distorcida, deixando sua mente em puro caos, e junto com a bateria os urros de Harsh Vocal fazem com que a música seja completa e muito bem feita, e muito diferente dessa faixa, a faixa seguinte intitulada “Shadows from the Past” vem trazendo seu todo e completo sentimento de dor, uma música com uma guitarra extremamente distorcida e um baixo de fundo faz com que a atmosfera criada seja de tortura, o vocal sintetiza muito bem o sofrimento de uma alma, uma criação sem dúvida excelente que faz toda a diferença no álbum.

E se você está esperando um cover nesse álbum você esperou da melhor forma possível com as melhores músicas que poderia ouvir, e logo na última faixa vem o cover, e o cover de uma das maiores bandas do Black Metal, o Bathory.
A faixa escolhida para ser cover foi a “Call From the Grave”, e logicamente uma música tão incrível tem que ser feita por uma banda tão incrível, e eu me arrisco a dizer que o cover do Nehëmah ficou melhor, mas isso varia de ouvido para ouvido, mas de qualquer forma, não podemos negar que alem de uma das melhores bandas de Black Metal da atualidade, o Nehëmah em uma qualidade inquestionável e uma sonoridade muito marcante e encerra esse álbum da melhor forma possível, sem deixar faltar absolutamente nada.





Postado por: Renan Martins

Nenhum comentário:

Postar um comentário