terça-feira, 1 de abril de 2014

Despot: Satan in the Death Row



Mais uma vez o Brasil vem aparecendo aqui com um Black Metal excelente, e esse Black Metal é muito especial, pois ele tem uma bateria que lembra muito o Death Metal Old School e completa perfeitamente o cenário caótico obscuro e esquecido da banda.

No álbum “Satan in the Death Row” a banda Despot deixou clara a sua proposta, e de forma excelente começa o álbum com a faixa “Matriarch”, e de forma surpreendente a música mostra o seu lado obscuro, com um harsh vocal não tão agudo, um vocal mais fechado que da um tom mais denso e pesado, que faz uma perfeita mescla com a bateria que lembra muito o Death Metal antigo, foi uma ótima escolha para o começo do álbum.

Logo em seguida, sem perder a fúria, vem à faixa sensacional “Auto-da-Fé”, uma metralhadora na bateria que agrada muito pela junção com o baixo, à música é bem completa, o vocal continua em alguns momentos com o harsh meio fechado, mas tem momentos que fica gutural e a velocidade da bateria fica maior, uma excelente junção.

Purified by Fire, a terceira faixa já começa um tanto mais tenebrosa, e com um som que parece que tem algo sendo queimado, o instrumental tem batidas fortes e faz você imaginar um cenário apocalíptico onde tudo está caindo e só sobrou você no mundo, e seu perpetuo pesadelo está só começando, e com uma sonoridade mais que impecável, a banda continua com sua marca registrada da velocidade na bateria incansável e riff’s carregados e rápidos com um vocal fechado, em um determinado ponto da música o vocal muda, dando um tom de dor maior para essa obra magnífica, e sem descansar a faixa seguinte intitulada “Satan in the Death Row”, começa com um som meio psicodélico, com uma guitarra bem distorcida.
Com uma introdução bem atmosférica a musica ganha um tom mais sensacional ainda, essa faixa é muito interessante, pois ela te permite conhecer a junção de um vocal um pouco mais pesado com o harsh, e um pouco mais diferente das outras, essa faixa pega mais do Black Metal das antigas, com uma sonoridade mais intensa e é uma faixa mais cadavérica também que conta com um gutural de fundo fazendo uma atmosfera obscura.

A faixa de número 5 do álbum “Satan in the Death Row”, é intitulada “Forbidden”, e é uma música fundamental no álbum, não só por ser uma das melhores, mas por ela ter uma sonoridade mais tenebrosa que as anteriores, a junção da bateria com pedal duplo e com os riff’s de guitarra extremamente rápidos, fazem com que essa obra prima se torne a cada momento mais formidável, e de forma muito interessante a banda consegue deixar evidente todos os instrumentos, sem ficar tudo fosco, fica tudo muito fácil de absorver, mas sem perder a verdadeira alma do Black Metal antigo, é sem dúvidas a melhor faixa do álbum.

A música a seguir é uma faixa  bem diferente de todas, intitulada “Le Roi Nu” já começa com um vocal, e é um vocal de aplaudir de pé, um gutural extremamente fechado, que junto com a guitarra no solo ficou perfeito.
Bem mais lenta que as outras do álbum, “Le Roi Nu” deixa mais evidente que a banda é excelente mesmo apostando em mudanças no ritmo, e se você está achando que vai ficar só riff todo momento está enganado, pois a faixa conta com um solo de guitarra que cria uma atmosfera que agrada muito, uma música que poucas bandas conseguem fazer com tamanha qualidade.
E para encerrar esse álbum de qualidade incrível foi escolhido a música “Egregious”, a maior faixa do álbum com 7 minutos, e não se engane pensando que vai ser um instrumental para encerrar tudo calmamente, a banda já começa com energia toda e um solo de guitarra alucinado que faz tudo ficar perfeito, sem dúvidas “Egregious” foi a escolha perfeita para encerrar esse trabalho.

Mais uma vez Belo Horizonte vem trazendo excelentes bandas, e o que é mais impressionante a banda é formada por apenas um membro, que está de parabéns pelo trabalho mais que impecável.



Postado por: Renan Martins

Nenhum comentário:

Postar um comentário