sexta-feira, 14 de março de 2014

Sado Sathanas: Nomos Hamartia



Obscura e complexa a  banda Sado Sathanas traz uma sonoridade muito complexa em seu som que consegue deixar um lado poético misturado com o puro Black Metal Old School que é fantástico.

Por incrível que pareça o álbum "Nomos Hamartia" é apenas o segundo álbum da banda, e já começa com uma capa sensacional e muito tenebrosa ao mesmo tempo, fugindo do clássico padrão do preto e branco do contraste extremo a banda apostou em deixar uma cor mais desbotada e meio morta, e isso deu muito certo, pois conseguiu combinar perfeitamente com a sonoridade magnífica e surpreendente da banda.

Nomos Hamartia já começa com a magnífica faixa "Nomos Hamartia", uma faixa que tem uma breve introdução obscura e lenta, e se você acha que vai ser assim o som da banda você logo se surpreende com a qualidade da banda, os riff's bem feitos que dão um toque eufórico de brilho como se você estivesse em uma floresta toca coberta de gelo, onde a maioria das arvores estão sem folhas e você está andando sozinho com seu manto preto procurando encontrar a sua paz no caos, o vocal dessa faixa é algo incrível, ele começa com um harsh um pouco mais baixo, e depois o harsh que era um pouco mais agudo, se torna algo mais grave, mais melancólico ao mesmo tempo, e quando o clima se acalma, você pensa que acabou a música e entra um instrumental totalmente perfeito, que cria uma ponte do lado imaginativo até a calmaria da mente longe de tudo, e logo depois já entra a retalhação novamente, uma bateria cadavérica e um vocal totalmente rasgado, um sentimento de dor consome no fim dessa música incrível.

Martyrium a segunda faixa já com uma sonoridade bem mais progressiva que a anterior, a banda consegue começar com uma introdução totalmente melancólica, lembrando até o incrível e agradável Depressive Black Metal, com batidas lentas e uma atmosfera crescendo ao fundo tornando cara vez mais a escuridão em sua alma, o vocal começa, um vocal de dor, um vocal melancólico, como se fosse despertar de um filho que queria morrer, e depois da melancolia vem a retalhação da bateria e dos riff's rápidos, o clássico e obscuro riff de Black Metal que é marca registrada desse gênero que é um dos melhores das vertentes do Metal.

A terceira faixa "Ante Bellum",  é a faixa com a introdução perfeita, um violão começa trazendo a paz para o álbum e ao mesmo tempo você consegue imaginar uma pessoa em total desespero, procurando se esconder depois de uma terrível perda, uma pessoa tentando escapar de mais um dia em que sua alma é sepultada aos poucos com o cair da noite.
A música toda é apenas instrumental, mas é um instrumental que é impecável, e que faz total diferença se você ouvir em sequencia o álbum, pois ele prepara toda a atmosfera para a próxima faixa que é totalmente diferente, intitulada "Invertum", a música já começa com a retalhação e o vocal rasgado, como se fosse um cavaleiro indo pra guerra, a banda consegue criar uma atmosfera muito diferente, uma sonoridade bem própria com um sentimento de vazio que ao mesmo tempo é totalmente compatível com absolutamente tudo que você vive.

P.A.N. Demonia vem trazendo o lado do caos para o álbum, um instrumental carregado, retalhado e muito bem feito, a mistura perfeita da raiva com a alma do Black Metal faz uma obra prima, e para fechar o álbum, a escolha foi a faixa "Codex Diaboli".
Com a Codex Diaboli a banda encerrou o álbum principal da carreira, onde marcou uma nova série que mostra que o trabalho da banda vem evoluindo cada vez mais, e esse álbum será difícil de ser superado pela banda, mas ela mostrou qualidade o bastante para nunca duvidar dela.




Postado por: Renan Martins

Nenhum comentário:

Postar um comentário